Pré-sal: Petrobras arremata os dois primeiros blocos do megaleilão - E Dia

Pré-sal: Petrobras arremata os dois primeiros blocos do megaleilão

Área de Búzios, considerada a mais promissora, foi levada ao lado de duas empresas chinesas
A Petrobras ficou com os dois primeiros blocos do pré-sal, Búzios e Itapu, leiloados nesta quarta-feira (6), no Rio de Janeiro.

O bônus de assinatura acumulado no megaleilão do pré-sal, até o momento, é de R$ 69,9 bilhões.

A estatal adquiriu sozinha o campo de Itapu por R$ 1,76 bilhão, sem ágio.

Búzios, considerada a área mais promissora já descoberta no Brasil, foi arrematada sem ágio e bônus de assinatura de R$ 68,194 bilhões. A Petrobras fez a única proposta, ao lado das empresas chinesas CNOOC e CNODC.

O terceiro campo a entrar no leilão, de Sépia, não recebeu ofertas.

O megaleilão do pré-sal começou às 10 horas. O governo federal e a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) tinham a expectativa que o megaleilão possa arrecadar em torno de R$ 106,56 bilhões.

O leilão é considerado o maior da história no setor de petróleo e gás. Cerca de 14 empresas, privadas e estatais, foram habilitadas a participar.

O bônus de assinatura é o valor pago pelas empresas à União para firmar os contratos. No caso dos leilões do pré-sal, o valor a ser pago é fixo, já que os contratos seguem as regras do Regime de Partilha.

Nesses leilões, o critério de avaliação das propostas é o excedente em óleo, também chamado de óleo-lucro. Isso significa que as empresas se comprometem a dividir com o Estado brasileiro uma parte do que for extraído dos blocos, e esse percentual é calculado apenas depois de serem descontados os custos de operação e royalties. A proposta vencedora será aquela em que a União terá a maior participação.