Wall St avança, mas fecha longe de máximas após notícia de acordo parcial EUA-China - E Dia

Wall St avança, mas fecha longe de máximas após notícia de acordo parcial EUA-China

NOVA YORK (Reuters) - Os índices acionários dos Estados Unidos fecharam com altas de mais de 1% nesta sexta-feira, embora bem abaixo das máximas da sessão, após o anúncio de um acordo comercial parcial entre EUA e China.

Operadores trabalham na Bolsa de Nova York 09/10/2019 REUTERS/Brendan McDermid - Foto: Reuters

O Dow Jones fechou em alta de 1,21%, a 26.816,59 pontos, enquanto o S&P 500 subiu 1,09%, a 2.970,27 pontos. O Nasdaq Composto avançou 1,34%, para 8.057,04 pontos.

Os índices reduziram seus ganhos no final da sessão, no momento em que o acordo era anunciado, em meio a temores sobre possíveis falhas no acerto entre os países, disseram estrategistas.

O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que EUA e China chegaram a uma substancial fase 1 de um acordo comercial, atingindo acertos relacionados a propriedades intelectuais, serviços financeiros e grandes compras agrícolas.

Em declaração a repórteres após negociações com o vice-premiê chinês, Liu He, Trump disse também que os dois lados estão próximos de encerrar a guerra comercial.

O mercado havia avançado fortemente no início do dia devido ao otimismo quanto a um acordo.

"Qualquer coisa abaixo de um acordo abrangente provavelmente seria recebido por algum grau de liquidações no mercado", disse Michael James, diretor-gerente da trading Wedbush Securities.

O timing teve muito a ver com a volatilidade. Faltavam 15 minutos para a sessão terminar... depois de o Dow ter subido 700 pontos nos últimos dois dias.

Os setores cíclicos estiveram entre os de melhor performance no dia, com o índice industrial do S&P avançando cerca de 2% antes da temporada de divulgação de resultados do terceiro trimestre, que se iniciará na semana que vem.

Os índices também acumularam ganhos na semana, sendo que Dow e Nasdaq avançaram 0,9% cada e o S&P 500 subiu 0,6%.

(Reportagem adicional de April Joyner e Sinead Carew em New York e Shreyashi Sanyal em Bengaluru)

Por Caroline Valetkevitch

Copyright © Thomson Reuters.