Bolsonaro critica 'silêncio' da ONU e de ONGs sobre óleo no NE - E Dia

Bolsonaro critica 'silêncio' da ONU e de ONGs sobre óleo no NE

No Twitter, presidente disse que o governo está procurando os responsáveis pelo espalhamento de óleo que atingiu 139 praias brasileiras

Óleo já atingiu 139 praias brasileiras - CARLOS EZEQUIEL VANNONI/AGÊNCIA PIXEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais hoje para alfinetar a ONU (Organização das Nações Unidas) e as organizações não governamentais que atuam em causas ligadas ao meio ambiente.

No Twitter, Bolsonaro disse que o governo brasileiro está procurando os responsáveis pelo espalhamento de óleo que atingiu 139 praias brasileiras e criticou uma suposta falta de engajamento das entidades.

"Desde 02/setembro nosso governo busca identificar os responsáveis pelo derramamento de petróleo nas praias do Nordeste. Estranhamos o silêncio da ONU e ONGs, sempre tão vigilantes com o meio ambiente", escreveu. Ao longo da semana, o presidente já havia declarado ter "quase certeza" de que o petróleo tem origem em um "ato criminoso", embora essa suspeita ainda não tenha sido confirmada.


O material identificado até agora em amostras tem a "assinatura" do petróleo da Venezuela, ou seja, a composição da borra é de origem venezuelana, segundo estudos da Petrobras e da Marinha. Na quinta-feira, dia 10, a Marinha também informou que está cobrando esclarecimentos de 30 navios-tanque de dez diferentes bandeiras que transitaram nas proximidades da costa entre Sergipe e Rio Grande do Norte nos últimos meses.

Embora Bolsonaro tenha dito que as ONGs estão em silêncio, as principais organizações do setor já fizeram manifestações sobre o tema. O Greenpeace, por exemplo, publicou no próprio Twitter esta semana fotos das manchas no litoral brasileiro e disse que a situação demonstra "demora das autoridades em identificar a origem e mitigar os impactos do petróleo", o que, na visão do Greenpeace, "prova que o governo não está preparado para responder a casos de derramamentos".

Por sua vez, a WWF tem feito várias postagens no Twitter com fotos e reportagens que mostram os impactos do derramamento de petróleo sobre a vida marinha e as atividades econômicas nas regiões atingidas. A WWF também vinha fazendo uma campanha nas redes sociais contra a exploração de petróleo nas proximidades do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no Sul da Bahia. O leilão desta semana acabou sem oferta de empresas para exploração nos campos próximos do parque.

Já a Organização Marítima Internacional, braço da ONU para assuntos relacionados à segurança marítima e à prevenção da poluição nos oceanos, está apoiando a Marinha e a Polícia Federal brasileira nas investigações das embarcações que transitaram pela costa, conforme informou a própria Marinha.

Copyright © Estadão. Todos os direitos reservados.