Bolsonaro confirma indicação de Forster para embaixada nos EUA - E Dia

Bolsonaro confirma indicação de Forster para embaixada nos EUA

Brasil está sem embaixador em Washington desde abril, quando Sérgio Amaral foi retirado do posto por ordem de Jair Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro confirmou, nesta quinta-feira (24), a indicação de Nestor Forster para a embaixada brasileira em Washington, no lugar de seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e sinalizou que o pedido de agrèment deve ser encaminhado ao governo dos Estados Unidos nos próximos dias.

"Por aqui mesmo a gente já pede o agrèment e formaliza", disse Bolsonaro a jornalistas na partida de Tóquio a caminho de Pequim, a próxima parada de sua viagem pela Ásia e o Oriente Médio. "É uma pessoa bem-quista, é um quadro exemplar, tem tudo para dar certo".

Forster é hoje o encarregado de negócios da embaixada em Washington e era o nome mais cotado para ocupar o posto até a decisão do presidente de indicar o filho, em julho deste ano. Eduardo, no entanto, desistiu da posição em meio a uma crise dentro de seu partido, o PSL.

Amigo do chanceler Ernesto Araújo e ligado a Olavo de Carvalho, Forster segue os padrões conservadores impostos pelo governo Bolsonaro, mas não tem experiência como chefe de embaixadas. Foi promovido a ministro de primeira classe — equivalente a embaixador — apenas em junho deste ano, justamente em preparação para ser indicado para a posição em Washington.

Eduardo Bolsonaro anunciou sua desistência do posto esta semana, depois de ter eclodido a crise no PSL, em que terminou assumindo a liderança da bancada na Câmara em uma manobra do grupo bolsonarista do partido.

O deputado, no entanto, não tinha votos suficientes no Senado para ter a nomeação aprovada. Desde que foi indicado pelo presidente, em julho, Eduardo e o Planalto faziam lobby por seu nome, mas o governo nunca chegou a ter garantia de que seria aprovado — tanto que a mensagem oficial com a indicação nunca chegou a ser enviada ao Senado.

O Brasil está sem embaixador em Washington desde abril, quando Sérgio Amaral, indicado ainda no governo Temer, foi retirado do posto por ordem de Bolsonaro.

China "capitalista"

Na sequência da viagem em que ficará 10 dias fora do Brasil, Bolsonaro chegou a Pequim com a intenção de atrair investimentos chineses para o Brasil e refazer a imagem na relação com o país, a quem acusou, durante a campanha, de querer "comprar o Brasil".

Na chegada, em conversa com jornalistas, foi perguntado qual sua resposta para quem diz que ele estaria visitando um país comunista, sistema político que tanto critica.

"Estou em um país capitalista", disse.

Bolsonaro afirmou que fará o possível para o desenvolvimento do Brasil e comentou a necessidade de se fazer privatizações, para as quais o Brasil quer atrair investimentos chineses.

"Arrebentaram com as estatais, conseguiram quase quebrar uma petroleira. Então estamos em uma situação que não temos alternativa. O sistema energético não temos suficiente para que ele não entre num colapso brevemente. Então tem certas coisas que tem que se adaptar à realidade. Não é o que você quer, é o que tem que ser feito", disse.

Na China, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, responsável pelo PPI (Programa de Parcerias em Investimentos), se juntou à comitiva presidencial e teve um encontro com a State Grid, empresa chinesa de energia, além de uma sequência de encontros nas áreas de portos, mineração, ferrovias, rodovias, óleo e gás e usinas hidrelétricas.

Copyright © Thomson Reuters.