Cirurgia para correção de hérnia de Bolsonaro foi bem-sucedida - E Dia

Cirurgia para correção de hérnia de Bolsonaro foi bem-sucedida

Procedimento terminou às 12h40 do domingo. Informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do Hospital Vila Nova Star, onde foi feita operação

A cirurgia do presidente Jair Bolsonaro, que foi submetido a uma correção de hérnia (saliência de tecido) incisional que surgiu no local em que foi atingido por uma facada, terminou às 12h40 deste domingo (8).

Bolsonaro passou por cirurgia de correção de hérnia - Marcos Corrêa/PR - 4.9.2019

A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde foi realizado o procedimento.

A cirurgia começou por volta das 7h35 e é a quarta intervenção após a facada que Jair Bolsonaro sofreu há um ano, em Juiz de Fora (MG), durante um ato da sua campanha presidencial.

Segundo boletim divulgado pela assessoria de imprensa do hospital às 13h19, "o procedimento foi bem-sucedido" e "o paciente fará sua recuperação no apartamento e apresenta quadro clínico estável. Por orientação médica, estará com visitas restritas nesse momento".

Em pronunciamento, o porta-voz da Presidência da República, general Rego Barros, e o cirurgião Antônio Luiz Macedo, esclareceram que Bolsonaro ainda não tem previsão de alta e que as chances de reincidência da hérnia são bastante reduzidas. O presidente poderá despachar diretamente do hospital e deve iniciar uma dieta líquida nesta segunda-feira (9).

Passagem de cargo

O presidente passa o cargo ao vice-presidente Hamilton Mourão de domingo a quinta-feira (12). No dia seguinte, Bolsonaro deverá reassumir a função.

Neste domingo, os três filhos mais velhos do presidente estiveram no hospital para acompanhar a cirurgia. O senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), foi o último dos primogênitos a chegar ao Hospital Vila Nova Star, em São Paulo.

Outros dois filhos do presidente haviam chegado mais cedo: o deputado Eduardo (PSL-SP) chegou pouco antes de Flávio, também neste domingo, e o vereador Carlos (PSC-RJ), por sua vez, chegou no sábado com a comitiva do presidente, assim como a primeira-dama Michelle.

Outras intervenções

A primeira cirurgia foi realizada no mesmo dia do atentado, em 6 de setembro de 2018, em hospital de Juiz de Fora. Cinco cirurgiões e dois anestesistas participaram da intervenção. Durante o procedimento, Bolsonaro precisou receber quatro bolsas de sangue, e teve implantada uma bolsa de colostomia.

Em 13 de setembro, o presidente passou por uma segunda cirurgia, desta vez no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Os médicos reabriram o corte da primeira cirurgia e encontraram a obstrução em uma alça do intestino delgado, que fica na parte esquerda do abdômen.

Bolsonaro voltou a ser internado no Einstein, em São Paulo, em 28 de janeiro deste ano para a retirada de bolsa de colostomia e ligamento do intestino.

Arte / EDIA