Supremo decide não soltar Lula provisoriamente

Adriano Machado/Reuters - 13/12/2017

Gilmar Mendes havia pedido adiamento de julgamento e liberdade provisória do ex-presidente

A segunda turma do STF (Supremo Tribunal Federal) definiu por não acatar o pedido do ministro Gilmar Mendes por um adiamento no julgamento de supeição do ex-juíz Sergio Moro e para que Lula fosse solto provisoriamente durante este período.

Junto de Mendes, apenas o ministro Ricardo Lewandowski foi favorável a este pedido, enquanto Edson Fachin, Celso de Mello e Cármen Lúcia votaram contra.

Com isso, a 2ª turma voltaria a julgar o mérito do pedido de habeas corpus por suspeição de Moro, mas foi decidido pelo adiamento da votação para a próxima sessão da turma, em agosto.