Trump e Bolsonaro trocam camisas de seleções de futebol - E Dia

Trump e Bolsonaro trocam camisas de seleções de futebol


Presidentes do Brasil e dos EUA se reúnem na tarde desta terça-feira, na Casa Branca, em Washington, para discutir comércio e Venezuela

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Donald Trump, trocaram presentes nesta terça-feira (19), antes de uma reunião. Um deu ao outro uma camiseta da seleção de futebol de seus respectivos países.

    Trump e Bolsonaro trocam camisas de seleções de futebol. — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O encontro entre Trump e Bolsonaro ocorre no último dia de visita do brasileiro a Washington. O presidente do Brasil foi recebido no começo da tarde na Casa Branca.

Na pauta da reunião estão questões comerciais entre os dois países, cooperação tecnológica e a crise na Venezuela.

"O Brasil é um grande amigo e acredito que pelas relações que temos nunca estivemos tão próximos como agora", disse Trump antes do encontro.

Bolsonaro disse que antes o Brasil era governado por "presidentes anti-americanos" e que agora "mudou".

"Obviamente, temos muito a conversar, muita coisa a oferecer um para o outro para o bem dos nossos povos. Tenho sim muita coisa em comum com o senhor Trump e isso para mim é motivo de orgulho e satisfação. Ele quer uma América grande e eu quero um Brasil grande."

OCDE

Em uma rápida entrevista antes do encontro, Trump disse que os Estados Unidos não têm nenhuma hostilidade com o Brasil, mencionou a possibilidade de uma participação brasileira na Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) ou outra aliança estratégica e declarou apoio à entrada do país na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

O president norte-americano declarou ainda que Bolsonaro "está fazendo um excelente trabalho". Ele acrescentou que O presidente os EUA têm "várias coisas" que o Brasil gostaria e que ele está as está analisando.

Trump disse ainda que iria discutir com Bolsonaro sobre a situação da Venezuela, que vive uma grave crise político-econômica, e repetiu que todas as opções estão sobre a mesa.